Gastronomia como potencial turístico

 GASTRONOMIA E ECONOMIA
Por: Otávio Demasi
O ato de alimentar-se, começa longe das mesas, sejam em cafés, restaurantes, hotéis, lanchonetes, acionando, tanto a agricultura quanto a indústria, passando pelo crédito agrícola, formação de mão-de-obra, eventos, até chegar no consumidor, que deve ser conquistado com muito charme, sensibilidade, visual, satisfazendo assim seu ego, no prazer de degustar. Sabemos que a gastronomia desde que o homem se conhece por homem, tem o poder aglutinador. Todo e qualquer evento obrigatoriamente possui um ato gastronômico, quando não é o principal.

Dos estabelecimentos individuais, sejam nas cidades ou nas zonas rurais, passamos por uma revolução transnacional, com a implantação de redes mundiais, onde a tecnologia, a produção em escala “industrial”, o visual, o marketing, seduziram e ao mesmo tempo pasteurizaram o paladar de milhões de pessoas, igualando os estômagos do mundo. Tal ato, deixou de lado características e peculiaridades de inúmeros países, enterrando a culinária típica, privilegiando preço, como isso fosse o máximo na arte gastronômica.
O “boom” mundial advindo com o turismo – vamos deixar os números de lado – tem demonstrado que fatores diferenciais e exclusivos, sejam na área geográfica, humana, cultural, artesanal, folclórica, possuem peso astronômico na escolha do destino turístico. E um dos mais fortes no Brasil é a diversificação, fartura e aí podemos incluir o preço da diversificada fonte de alimentos, sem falar do seu colorido, do cheiro e da diversificação de temperos que nos levam a um exotismo e êxtase .
Carnes, frutos do mar e peixes variadíssimos. Frutas incontáveis: jaca, abacaxi, guaraná, bacuripari, tamarindo, jaracatiá, piqui, sapucaia, umbu, pinha, manga, jujuba, graviola, acerola. Dos pratos regionais, podemos citar: barreado, quibebe, churrasco, caruru, arroz com cuchá, mão de vaca, buchada, carne de sol, vatapá, sururu de capote, moqueca capixaba, munguzá, sarapatel, chambaril, feijão tropeiro, galinha cabidela, empadão goiano.
Inúmeros subprodutos podem ampliar o rol de ofertas, como: sorvetes, licores, geléias, compotas, vinhos. E a variedade de doces e o nosso pão de queijo. Sabemos que a mistura da cultura indígena e africana – fortíssima até hoje – agregada a européia, criou um tempero próprio, receitas exclusivas e tudo isso, pode e deve alavancar a economia , com a vinda de turistas de todos as partes do mundo. Vamos juntar o futebol, o samba, a beleza da natureza e o charme brasileiro, além da nossa diversificada cultura popular e faturar, mas faturar muito, com a nossa gastronomia. Vamos encher o estômago dos turistas enchendo assim nossas reservas internacionais.


Quem é Otavio Demasi :

 

É consultor de turismo e jornalista (Mtb 32.548). Autor do “Manual de Conscientização Turística”, há 40 anos percorre o Brasil, tendo ministrado cursos, treinamentos, palestras e eventos em geral para empresas, ONGs, munícipios e estados.
Na vida pública atuou em assessorias de turismo e comunicação nas prefeituras de Águas de Lindóia/SP, Ubatuba/SP, Goiânia/GO, São Sebastião/SP, São Paulo/SP e também junto a Paulistur e Companhia Paulista de Trens Metropolitanos.

 

Deixe seu comentário aqui.